Asfalto quente

É engraçado ver como muitas das vezes somos tratados como idiotas pelos governantes deste país. Pagamos um IPVA que não é barato, independente do tipo de carro utilizado e que simplesmente não é direcionado para o que deveria.

Continuamos com ruas mal sinalizadas, com asfalto esburacado e com engenharia de tráfego mal feita. Diante disso, o governo fica com o dinheiro e simplesmente entrega o controle de determinadas estradas para a iniciativa privada, que cobra de nós um valor em forma de pedágio.

Será que o dinheiro arrecadado é insuficiente para a manutenção das vias?

O Carnaval que todos bancam

O carnaval passou, milhões foram gastos e agora todos pagaremos, aqueles que gostam e os que não gostam. Verbas que poderiam se utilizadas para coisas mais importantes e que além de alimentar o bolso de políticos, também passeiam por outras instituições privadas que vivem dele.

Não adianta falar que o mesmo gera muito dinheiro para os estados e municípios, pois essa conversa já é velha. O mais correto é a iniciativa privada e as ditas escolas de samba se virarem e arrumarem patrocínio.

Assim como não é certo os governos estadual e municipal bancarem inúmeros outros eventos onde os grandes beneficiados são empresas privadas, com o carnaval não pode ser diferente.

Enfim, como o brasileiro sempre se ilude com bebida e farra, torcemos para que a cultura brasileira mude com os anos para que nossos filhos e netos vivam em um mundo mais justo.

O que deveria ser um político?

Diante de tanta corrupção no país, acabamos associando a política a algo negativo, de má índole, etc… A política deve ser encarada como um meio para que mudanças e melhorias ocorram, de modo que todo o povo seja beneficiado.

O político deve ser aquele que briga pela causa do povo para que todos sem exceção possam usufruir delas sejam em que áreas forem. O mesmo, nunca pode brigar por causa própria, usar sua influência em seu benefício e muito menos enriquecer de forma ilícita.

Essa pessoa assumiu a responsabilidade de representar pessoas e ser a sua voz na hora de decidir quais rumos o país, estado, cidade,  devem tomar. Não importa o nível intelectual, embora o mesmo seja importante, mas o conta mesmo é querer lutar pelo povo e fazer o impossível para mudar a situação para melhor.

É uma pena que ainda não temos isso no país que vivemos, a minha esperança é que as futuras gerações, possam entender o que é ser um político. Parece algo inalcançável mas a esperança é a última que morre…

Vida fácil

Dia após dia eu me pergunto o motivo de nós brasileiros sempre sermos vistos como o povo que sempre espera as coisas acontecerem, de buscarmos o caminho das águas e nunca valorizarmos o trabalho duro.
Inúmeros estrangeiros nos criticam por sermos um povo pacífico e que aceita tudo gargalhando e se contentando com pouco.

Na verdade, somos um povo criativo e trabalhador, pacífico, mas que luta muito para crescer, o problema todo é que o governo não permite ou estimula o crescimento, ao invés disso, prefere disseminar a cultura populista, gerando ócio e um crescimento demográfico gigantesco. A maioria das pessoas, querem fazer uso dos melhores produtos, mas sequer tem condições de comprar um mediano. Como consequência vemos os índices de criminalidade aumentarem, já que é mais fácil roubar do que se esforçar.

A solução para isso é investir nas próximas gerações, ensinar as crianças que é importante se esforçar para se qualificar e aprender uma profissão, estimular os empreendedores, investir na educação séria e de qualidade.
Só assim vamos conseguir ver o Brasil de volta aos eixos.